Archive for novembro \30\UTC 2009

Querem enganar a quem?

novembro 30, 2009

É impressão minha ou todo mundo pirou? Sim, porque nos meus constantes arroubos de otimismo, prefiro achar que caiu um parafuso da cabeça de cada indivíduo deste Brasil varonil do que achar que a hipocrisia virou epidemia ainda mais contagiosa e mortal que a dengue e a gripe suína juntas. E como não podia deixar de ser, eis que o esporte segue sendo contaminado por defensores da moral e dos bons costumes.

A primeira vítima da onda moralista foi o presidente do Palmeiras, Luiz Gonzaga Belluzzo. Nos últimos dias ele foi enxovalhado pela imprensa esportiva por conta de um vídeo que vazou na internet, em que ele usa a frase “Vamos matar os bambis” em um evento da Mancha (Alvi)Verde. Claro, os arautos da ética já falaram que Belluzzo, logo ele, estava pregando a violência contra a torcida do São Paulo.

Na verdade, a alusão era apenas futebolística (na ocasião, o Palmeiras era líder isolado e o São Paulo tinha acabado de perder partida importante). Qualquer idiota sem más intenções perceberia que Belluzzo comemorava o fato de o Palmeiras estar muito perto do título àquele momento. Ah, mas usar a expressão “matar” é feio, incita a violência. Tá bom, cara pálida, então o que me diz de a própria imprensa esportiva utilizar as expressões “artilheiro” e “matador” há décadas para falar de jogadores que marcam muitos gols?

Evidentemente, os palmeirenses ficaram putos com a hipocrisia dos jornalistas. Mas infelizmente sofrem do mesmo mal. Ontem, vários ficaram putos pelo fato de o Corinthians ter “entregado” o jogo ao Flamengo. Ora, pílulas: se o Corinthians vencesse o Flamengo, deixaria São Paulo ou Palmeiras, seus maiores rivais, com chances enormes de ficar com o título brasileiro. Que reação vocês esperariam dos gambás? Será que, se estivéssemos no lugar deles, não faríamos o mesmo? Duvido muito que não.

Faço um paralelo com o comportamento dos torcedores do Internacional. Estes estão conformados com a perda do título. Afinal, eles precisam vencer e torcer para que o GRÊMIO vença o Flamengo no Maracanã. Quase impossível, não? E os colorados nem reclamam, certamente porque sabem que, se a situação fosse inversa, o Inter jamais se esforçaria para ganhar um jogo e dar o título ao maior rival.

Se tal atitude é condenável, e não deixa ser mesmo, são outros quinhentos. Agora, brincar de indignado a esta hora me deixa com muito mais asco que a atitude do Corinthians.

Anúncios

Que feriado? Num sei*

novembro 20, 2009

O doutor Emmet Brown deu uma passadinha por aqui e deixou um material que eu tinha encomendado: jornais de 2019 (sim, eles ainda vão existir!). Selecionei as matérias referentes ao Feriadão da Consciência Negra. Confira

 

Feriadão da Consciência Negra: 10 milhões nas estradas

O feriadão prolongado da Consciência Negra deste ano foi responsável por mais um recorde de tráfego nas estradas paulistas: nada menos que dez milhões de pessoas deixaram a capital e a grande São Paulo rumo ao litoral e interior do Estado. Foi o feriado com o maior fluxo de veículos do ano e superou em mais de 20% o volume registrado no feriado de 2014, ano que havia registrado a maior marca.
Segundo a polícia rodoviária, o número de acidentes cresceu 19%. “O crescimento foi grande, mas seguiu a mesma margem de aumento no tráfego. Mas o grande problema é no primeiro dia de folga, quando todos querem viajar o quanto antes para aproveitar o feriadão e por isso abusam da velocidade”, comentou o sargento da polícia rodoviária, Rodrigo Nascimento.
Apesar de apontar a velocidade como causa de muitos acidentes, o policial cita que houve pontos de grande lentidão nas estradas. “Na Dutra os carros ficaram parados durante quatro horas na altura de Arujá e também de São José dos Campos. Na Ayrton Senna, a situação também ficou complicada, assim como em Atibaia, onde a ligação entre a D. Pedro e a Fernão Dias ficou congestionada durante todo o sábado”, comentou Nascimento.


Kassab promete “quadruplicação” de rodovias

O governador de São Paulo, Gilberto Kassab, anunciou que no próximo ano apresentará o projeto executivo para novas duplicações das rodovias Ayrton Senna-Carvalho Pinto, D. Pedro I e do sistema Anchieta-Imigrantes. Segundo ele, os megacongestionamentos registrados em todo o estado no Feriadão da Consciência Negra motivaram o anúncio das obras, que vêm sendo chamadas de “quadruplicação”.
“Infelizmente o estado não está com muito dinheiro em caixa e o ideal seria esperar mais uns anos, mas a situação se mostrou catastrófica e não podemos esperar mais”, afirmou o governador, que admitiu que, para financiar o projeto, as rodovias terão de ganhar novos pedágios. “Teremos uma praça a cada 50 quilômetros, com cobrança nos dois sentidos”.
Kassab afirmou que vai entrar em contato com a presidente da República, Heloísa Helena, para que ela ajude o Estado. “Pretendo me reunir com ela para ver se o governo federal poderá também ‘quadruplicar’ as rodovias Presidente Dutra e Fernão Dias, bem como a Rio-Santos”. Apesar dos anúncios de obras, ele afirmou que a duplicação da Mogi-Bertioga está descartada. “Vamos recuperar alguns trechos e construir terceira pista em outros, nada além disso”.


População desconhece origem do feriado

Há mais de dez anos o Brasil celebra o Dia da Consciência Negra e há exatos cinco anos, aproveita o feriado nacional. No entanto, a grande maioria da população desconhece os acontecimentos históricos que deram origem à data. A reportagem foi às ruas e perguntou às pessoas o que elas sabiam sobre a data. A maioria afirmou não fazer a maior idéia. Quem se arriscou a responder não conseguiu acertar. “Teve a ver com a ditadura militar, não é?”, comentou a dona de casa Dulcinéia de Jesus. Informada sobre Zumbi, ela não deu o braço a torcer: “É verdade. Ele foi torturado pelos militares, não é?”
Jenifer de Couto Prado, estudante de 34 anos, creditou o feriado à libertação dos escravos: “É sobre a princesa Isabel, não é? Não sei muito bem. Parece que já teve esse feriado este ano”.
Apesar da obrigatoriedade do ensino de História Afro-brasileira nas escolas, as crianças também não estão bem informadas sobre a data. Os irmãos gêmeos Rogério Ceni e São Marcos de Oliveira, de 10 anos, atribuem a origem do feriado a um acontecimento esportivo de 1958. “Naquele ano teve Copa do Mundo e vários negros foram afastados da seleção brasileira acusados de serem pipoqueiros. Eu acho que foi isso”, disse Rogério. O irmão endossa a opinião. “Depois houve um movimento para colocaram o Pelé, o Garrincha e o Djalma Santos no time e eles garantiram o título”.
Na verdade, a data de 20 de novembro foi escolhida como o Dia da Consciência Negra por marcar a morte de Zumbi dos Palmares. Em 2003, a lei 10.639, sancionada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, estabeleceu a data como parte do calendário escolar brasileiro. A mesma lei tornou obrigatório o ensino de História e Cultura Afro-Brasileira. Em 2012, o sucessor de Lula, Frank Aguiar, instituiu o feriado obrigatório, aprovado no Congresso graças a emenda constitucional.

* Texto escrito em 2007 e devidamente atualizado

Quando a maldade abunda no coração

novembro 7, 2009

Casal caminha na Paulista. Ao passar por uma igreja, vê um carro em frente à entrada principal. Dentro dele, uma noiva conversando ao telefone.

– Nossa, que coisa. Usando celular na hora do casamento?
– Ela deve estar ligando pro amante, antes de ir pro altar.
– É, e daqui a pouco ela vai pegar o Blackberry e colocar no Twitter: “estou em frente à igreja, vou entrar pro meu casamento em dois minutos”.

*****

Casal caminha na Avenida Jabaquara. De repente, um pequeno grupo de garotos maltrapilhos passa correndo pela calçada. Entre eles, uma criança muito nova, que parecia ter acabado de aprender a correr.

– Olha que pequenininha…
– Pois é, tão novinha e já aprendendo a fazer arrastão…

*****

Casal passeia no Rio de Janeiro no feriado prolongado. Num domingo, dia de chuva, a cidade fica deserta, com todas as lojas fechadas. No dia seguinte, o tempo abre totalmente, mas às dez da manhã (ou da tarde, como preferirem), todas as lojas, inclusive o Shopping Center, continuam fechados.

– Putaquipariu, como assim? Tudo fechado de novo?
– Pois é, deve ser por causa do sol…
– Ah, não. Quando chove não abre nada, e quando o sol abre também não? Como pode estar tudo fechado numa cidade turística, em pleno feriado, com a cidade cheia de gente?
– Vai ver foi todo mundo pra praia…
– Porra, mas então quando esse povo trabalha? Será que eles fazem como no litoral paulista? Trabalham o triplo na alta temporada? No Carnaval, por exemplo?
– Lógico que não? Ou você acha que eles vão perder os desfiles?