Posts Tagged ‘São Paulo’

A vida, o Belle e tudo o mais…

novembro 11, 2010

(escrito ao som dos discos “Dear Catastrophe Waitress”, “The Boy With the Arab Strap” e “Fold Your Hands…”)

Foto: Ale Vianna/ News Free/ AE

Acho que já escrevi aqui – ou no velho blog O Monoglota – a sensação que tive ao ouvir Belle & Sebastian pela primeira vez, lá pelos idos de 1999/2000. Peguei o “Tigermilk”, primeiro disco da banda, em uma locadora de CDs. Fiquei aturdido com o som. Logo nas primeiras canções, era possível observar uma série de referências musicais que eu conhecia, mas toda aquela informação junta formava algo totalmente novo para mim. Era um som que eu jamais havia ouvido antes.

 

Não demorou muito para que eu ficasse fissurado pela banda. Comprava discos, camisetas, procurava informações na internet. Tentei driblar ao máximo minhas limitações com o idioma de Shakespeare, agravada pelo fortíssimo sotaque escocês dos cantores da banda.

Fiquei fascinado por aquelas baladas agridoces e melancólicas, além das letras que falavam sobre solidão, amor e a sempre atual sensação de inaptidão com as relações humanas. Não demorou para que Belle & Sebastian (ou simplesmente B&S) se tornasse a minha banda favorita em atividade.

Percebia-se com facilidade, então, que muito do que havia naquelas letras dizia respeito a mim e a como me sentia em relação ao mundo. Eu me via como um outsider, um peixe fora d’água, mesmo que estivesse rodeado de amigos.

O tempo passou e a vida foi caminhando, como tem de ser. Me formei, comecei a trabalhar como jornalista, enfrentando os perrengues de sempre. Mas continuava sendo um outsider, ouvindo Belle & Sebastian como se fosse um guru, alguém que me desse a mão e me dissesse o que fazer.

Minha procura por informações sobre a banda me fez entrar para uma lista de fãs. Ali, fiz muitos amigos espetaculares, com quem convivo até hoje. E em torno das pessoas desta lista, conheci outras e mais outras e, depois de muito tempo, me senti parte de um grupo, uma comunidade, uma turma.

Os anos se passaram e, mais uma vez, o mundo foi dando voltas. Tomei um susto ao ouvir o sexto disco do Belle & Sebastian, “Dear Catastrophe Waitress”. Senti a banda mudando, não parecia a mesma que eu havia conhecido anos atrás. A impressão se fortaleceu com o disco seguinte, “The Life Pursuit”, muito superior ao anterior e que solidificaria os novos rumos musicais. Era a banda amadurecendo.

 Demorou para eu perceber que a banda não era a única a ter mudado. Minha vida havia voado, como se carregada pelo vento, e passou por alterações profundas. Aprendi muito sobre como lidar com o mundo e as pessoas. Em alguns casos, me recusei a aprender. Mas não podia mais alegar inocência.

E tudo só serviu para tornar ainda mais forte os elos que tenho com o Belle & Sebastian. Porque ela não se tornou uma banda de uma época, que perderia sua relevância com o passar do tempo. Também não faziam aquele tipo de som tido como “atual”, mesmo quando imutável. A banda havia crescido, como eu também cresci.

Ao final das contas, ainda sou um adolescente escondido em um corpo de adulto. Continuo tendo muitas dúvidas, medos e angústias do passado. Mas hoje me sinto muito mais forte para resistir, por conta de tudo que passei e vivi. E percebi que, desde aquele dia perdido no final do século XX em que ouvi “The State I Am in” pela primeira vez, o Belle & Sebastian tem caminhado comigo, crescendo, falhando e insistindo da mesma maneira, quase que de forma sincronizada.

Tudo isso passou pela minha mente enquanto ouvia cada canção executada pela banda no maravilhoso show do Via Funchal, neste dia 10 de novembro. Dancei com as músicas dos discos mais recentes, vibrei ao ouvir as belíssimas faixas do disco recém-lançado, “Write About Love”. E me senti levitando ao ouvir as canções dos primeiros álbuns, que tanto me marcaram.

O show, que tinha tudo para ser espetacular, ganhou contornos ainda mais especiais. Primeiro por ter sido a primeira vez que eu os via ao vivo, pois havia perdido a antológica apresentação de 2001. E em segundo lugar porque eu passei o show todo ao lado da mulher da minha vida, que tem compartilhado todas as minhas vitórias e derrotas há seis anos.

Era também a nossa história que estava sendo cantada ali, naquele palco. As mesmas músicas que eu havia apresentado a ela logo que nos conhecemos e notamos nossas afinidades. A mesma música que escolhemos para ser tocada em nosso casamento, entre tantos outros momentos.

Na noite de 10 de novembro vi mais que um show. Presenciei a vida a passar diante dos meus olhos, como ocorre com as pessoas que encaram seus últimos momentos. No entanto, ao contrário do que diz a tradição, para mim a existência está apenas começando.

Palmeiras, um time de bambis?

outubro 26, 2009

bambisDurante muitos anos, minha diversão era irritar meu irmão são-paulino falando do São Paulo de 2001. Naquela época, bastava eu falar que o São Paulo era “um time de bambis” para ele vociferar em alto volume. E, depois de soltar seu rosário de impropérios, ele resmungava, bem baixinho. “Vou falar o quê? São um bando de bambis, mesmo. Time filho da puta…”

 

A equipe em questão era, ao menos no papel, um timaço. Tinha três jogadores que hoje estão na seleção brasileira: Luiz Fabiano, Kaká e Julio Baptista. Outros viviam bom momento, como França, Beletti e Gustavo Nery. Era time para ganhar vários títulos, mas tudo o que conseguiu foi um magro torneio Rio-São Paulo. De impactante, o único legado que deixou foi o estigma de freguês do Corinthians, que perdura até hoje. Foi nessa época que surgiu a famosa piadinha de que o estádio do Morumbi era o salão de festas do Corinthians. Restou também a pecha de time pipoqueiro: geralmente o time ia muito bem nas fases iniciais e capotava em qualquer jogo importante que aparecesse pela frente.

Pois bem: oito anos se passaram e tem um time disposto a ocupar o lugar dos são-paulinos: o Palmeiras. Uma equipe que tem Marcos, Pierre, Diego Souza, Cleiton Xavier e Vagner Love, além de Muricy no banco, lidera um campeonato com cinco pontos de vantagem sobre o segundo colocado e joga essa vantagem no lixo é um time que não merece respeito. Levando-se em conta que o clube não vence tal campeonato desde 1994, a coisa fica ainda mais séria.

Há quem diga: “ah, mas queda de rendimento é normal”. Sim, é normal: quando a causa é cansaço físico, problemas táticos ou simplesmente nervosismo. Mas não é o caso. Também não é dinheiro o problema: os salários têm sido pagos em dia e a premiação já foi fechada há muito tempo.

O que temos no Palmeiras é uma guerrinha de egos inadmissível até mesmo para ambientes tradicionalmente carregados de vaidade, como desfiles de moda, redações jornalísticas ou quetais. A chegada de Vagner Love fez com que jogadores como Cleiton Xavier e Diego Souza fossem corroídos pelo ciúme. E agora um não passa a bola para o outro.

Ciúme? Sim, ciúme. E como você chamaria um ser humano do sexo masculino de nutre ciúmes de outro ser do mesmo sexo: de bambi, oras!!!!

O Palmeiras pode ser campeão do mundo 70 vezes, pode ficar 134 anos ou 13 mil jogos sem perder do São Paulo, vencer cinco libertadores seguidas sem perder um jogo ou espancar todos os jogadores do Boca Juniors em plena Bombonera, mas se não ganhar esse Brasileirão vai se sacramentar para sempre como o time bambi, o time de bundas-moles, o time de garotas afetadas que não liga em perder o campeonato mais ganho da história do futebol, desde que apareça mais na TV do que aquela outra mocréia que joga no ataque. E nunca mais nenhum palmeirense vai ter moral ou razão para chamar um são-paulino de bambi.

A arte da mudez está esquecida

setembro 15, 2009

História contada por um jornalista são-paulino, que encontrou em um evento dois ex-jogadores de seu clube: Raí e Leonardo.

– (jornalista) Raí, eu sou seu fã! Desde pequeno! Me lembro até hoje do gol que você fez contra o Barcelona, de falta, lá no Japão. Que golaço!!!

– (Raí) Obrigado.

– (Leonardo) Puxa, que legal ver que os torcedores gostam dos gols que a gente marca, que guardam essas recordações. Você lembra de algum gol meu?

– (jornalista) Olha, de você eu só lembro aquela cotovelada na Copa…

A Copa de 2014 e o jornalismo acrítico

setembro 11, 2009

Tá difícil...Acompanhar a imprensa esportiva hoje em dia é um esforço de paciência e boa vontade. Ao ler uma matéria em qualquer veículo, você vai encontrar reportagens com um peso e duas medidas, acusações sem provas e matérias abordando apenas um lado da noticia. E então surge a dúvida: os jornalistas estão cada vez mais despreparados ou eles são simplesmente tendenciosos mesmo?

Estas dúvidas ganharam ainda força com o início dos preparativos do Brasil para sediar a Copa do Mundo de 2014. A cidade de São Paulo enfrenta problemas sérios por conta do local escolhido para receber os jogos, o estádio Cícero Pompeu de Toledo, mais conhecido como Morumbi.

O estádio do São Paulo Futebol Clube foi construído numa época em que era praxe construir praças de esporte gigantescas, com capacidade de público gigantesca, mas sem muitas preocupações com o conforto e/ou segurança. Além disso, tem graves desvantagens em relação a seus contemporâneos: não possui áreas livres em seu entorno, o que torna praticamente inviável atender a algumas exigências básicas da Fifa, como ampla área para estacionamento. E há muito tempo não vê uma reforma decente.

A solução seria apresentar um arrojado e caríssimo plano de reestruturação do estádio, com o apoio da iniciativa privada. O problema é que com o dinheiro necessário para tal reforma seria possível construir uma arena novinha em folha.

A cobertura é praticamente a única grande intervenção no incompleto projeto do Morumbi

A cobertura é praticamente a única grande intervenção no incompleto projeto do Morumbi

Sem outra saída, a diretoria do São Paulo tentou jogar o pó pra baixo do tapete: divulgou aos quatro ventos um projeto mal-feito porém chamativo, declarou que tinha cumprido 85% das exigências da Fifa para a Copa e que tinha condições de receber o jogo de abertura. Para completar, o presidente do clube, Juvenal Juvêncio, afirmou que tudo seria custeado com ajuda da iniciativa privada, já que várias empresas disputavam a primazia de tocar as obras.

E aí reside o problema. Nenhum jornalista questionou a diretoria do São Paulo sobre estes 85%. Ninguém averiguou quais itens estavam faltando no projeto e porque eles não estavam incluídos, tampouco sobre a ausência do estacionamento na documentação, algo difícil de ser ignorado.

Semanas depois, Juvenal Juvêncio veio a público alegar que o clube não teria condições de tocar o projeto sem contar com empréstimos do BNDES. Mas onde estavam as várias empresas que pretendiam reformar o Morumbi para a Copa? Bom, nenhum jornalista se deu ao trabalho de perguntar.

Em várias ocasiões, dirigentes da Fifa alegaram que a documentação enviada pelo São Paulo estava incompleta. Juvenal Juvêncio, porém, insistia no erro: dizia que o estádio estava 85% adequado e mais não dizia. Os repórteres, preguiçosos, se limitavam a defender o ponto de vista do dirigente brasileiro, sem checar os fatos e ver quem estava com a razão.

A situação chegou a um nível insustentável esta semana, quando Jérôme Valcke, o poderoso secretário-geral da Fifa, afirmou com todas as letras que o Morumbi não tinha a menor condição de receber a abertura da Copa e que a cidade de São Paulo deveria começar a procurar uma outra opção.

Juca Kfouri, aquele, saiu em defesa do São Paulo

Juca Kfouri, aquele, saiu em defesa do São Paulo

E o que fizeram os jornalistas? Em vez de questionarem a veracidade das declarações anteriores do presidente são-paulino, resolveram atacar Valcke, como se ele tivesse algum interesse em preterir este ou aquele estádio. Juca Kfouri, moralista de plantão, chegou a dizer, com todas as letras, em seu visitado blog, que o secretário-geral da Fifa estava “sabotando” o Morumbi.

A verdade é que os jornalistas de São Paulo, por bairrismo ou algum outro motivo desconhecido, defenderam o Morumbi de forma assustadoramente acrítica. E sequer se tocaram que, ao insistir em uma barca furada, a maior cidade do País corre sério risco de não sediar a abertura da Copa ou nenhum outro jogo importante.

Outra imagem?

junho 19, 2009

Sim, outra imagem. Eu ia postar um texto por aqui, mas não podia perder a oportunidade de mostrar isso aqui…

Depois, eu é que sou maldoso...

Precisa comentar?